terça-feira, 28 de abril de 2009

Eu só quero dinheiro!!!



A falta de grana é capaz de fragilizar qualquer ser humano, nos sentimos humilhados, desprotegidos, sem animo, indignos, um monte de bosta.
Essa sensação é mais acentuada no homem que na mulher, essa é a impressão que tenho, pois elas vêem a falta de dinheiro de forma diferente, Por vivermos num país machista, onde o homem precisa mostrar poder e esse poder vem dos mais afortunados. Numa competição entre homens com mais dinheiro e homens mais pobre elas a mulheres preferem um com mais dinheiro, o que vale mais é a aparência que o conteúdo, é claro que existem algumas exceções. Num mundo capitalista um ser humano com mais dinheiro ele é mais respeitado, seja ele um corrupto, um pobre é privado dos seus direitos. Você pode ser pobre o que não pode é aparentar ser pobre. Pois vivemos num mundo capitalista, onde mais vale uma aparecia.

2 comentários:

Fernanda. disse...

"Você pode ser pobre o que não pode é aparentar ser pobre".Aparentar ser pobre consegue ser muito pior que ser pobre... que droga.
È, a aparência anda valendo mais do que o conteúdo... mas..., eu, eu quero é dinheiro!Até parece que dinheiro não traz felicidade,claro que traz! Somos tão felizes com o prazer que temos com nossos bens materiais! Ah se não fosse o dinheiro!

aideofobia disse...

Um dos grandes problemas da falta de grana, é que além da realidade possível, há uma falta de grana que a sociedade de consumo cria em nós. Seu shampoo nunca é o bom, há sempre outro melhor, o carro que corresponde à sua personalidade, é aquele que você não pode comprar (e nem precisa), mas isso vai te massacrando, você pensa em fazer crediários intermináveis e pensa que o melhor da vida está aí. Claro, há sempre uma vida bem melhor, e ela é bem mais cara, mas o mundo não se limita a isso e muito menos nossos valores. Está chegando o momento em que devemos enxergar que estamos acima disso tudo, que a solidariedade é necessárias, que se você for feliz eu também serei mais feliz.
O respeito não está no dinheiro, o respeito não se compra, o que se compra é o medo, ou, com o dinheiro, tem-se o respeito que não é bom, aquele da ameaça, o que nos volta novamente para o medo. A verdadeira possibilidade de felicidade não está na aparência, e sim no valor real de cada um. Mas é claro, um mínimo de dinheiro em nossa sociedade é necessário, porém menos que o veiculado.